Sobre o futsal de Cabo Frio (uns pitacos)

Sobre o futsal de Cabo Frio (uns pitacos)

Tenho visto, com alguma frequência, mas nenhuma surpresa, manifestações aqui e ali sobre a situação atual do futsal de Cabo Frio, sobre as dificuldades que a Liga Cabofriense anda passando nos últimos tempos. Eu poderia ficar aqui falando uma série de coisas que eu penso, mas hoje em dia, principalmente em Cabo Frio, as pessoas andam melindradas demais, não estão acostumadas a ler/ouvir opiniões contrárias. Então, vou tentar resumir o que eu penso:

1) Se você quer mesmo ajudar a Liga de Futsal, entre em contato com PC, que é o presidente, procure saber do calendário da entidade que tem datas para campeonatos adulto, sub20, sub17 e sub15;

2) Se você quer mesmo ajudar a Liga de Futsal, deve estar disposto a jogar no ginásio João Augusto, em Tamoios, ou no ginásio da AA Cabofriense. A Federação do Rio tá fazendo jogos do adulto no Madureira. Não é o ideal, mas é o que tem pro momento. Pra quem jogou a vida toda pelada e até torneio em quadra pública,  não vejo motivo pra achar ruim (e pros mais novos, basta lembrar que até 15 anos atrás, não tinha ginásio).

3) Se você quer mesmo ajudar a Liga de Futsal, doe seu tempo reunindo adolescentes entre 15 e 20 anos, que estão com tempo ocioso, loucos pra jogar uma bola de maneira organizada, loucos pra jogar uma competição. 2 horinhas por semana, não vai matar ninguém. Chama um conhecido seu estagiário de Educação Física pra ajudar. É experiência pra você e pra ele. Responsabilidade social: essa idade é foda e o diabo tá aí mesmo, pronto pra atentar o juízo.

4) Lembrem-se: uma liga, qualquer que seja, é a reunião de clubes e pessoas interessadas em fazer com que a modalidade x, y ou z cresça e se fortaleça. Liga não é pai ou mãe de ninguém, nem consegue fazer nada sozinha, sem clubes. O problema principal, na maioria absoluta das vezes, é que “trabalhar dá trabalho”. É muito mais fácil reunir um grupo de amigos pra bater uma peladinha ou jogar sem compromisso. Mas treinar, investir tempo, dinheiro, dedicação requer esforço pessoal e coletivo que nem todo mundo quer ter.

5) A iniciativa de outros grupos, pessoas e clubes de fazerem competições de futsal, seja nos bairros, nos clubes, em qualquer lugar, não é ruim, ela é ótima. Mostra que o problema não é falta de gente pra jogar (até porque jogar bola é a parte mais fácil do processo todo). Agora, uma visão minha: é preciso saber porque quem participa desses movimentos não tem o desejo de participar da principal competição oficial da cidade. Qual é a dificuldade? Por que não jogar o campeonato da Liga? Por que não procurar essas pessoas e convidar pra participar do Municipal?

6) A política está envolvida em tudo o que fazemos, e não só no esporte. O ser humano é um ser político por essência (não sou eu que inventei isso, foi um tal de Aristóteles que falou isso, lá atrás, na Grécia antiga). O problema é que pra maioria das pessoas, “política” virou “preciso de um cargo”. A política pública, com seu desenrolar, já proporcionou muitas coisas boas para o esporte da cidade, também muitas coisas ruins. Incentivou muitas pessoas, deixou outras tantas acomodadas. Cada um sabe de seus objetivos, de suas limitações, de onde quer chegar. Transferir a responsabilidade do sucesso ou do insucesso do futsal ao político X, Y ou Z é se eximir de responsabilidade. Político nenhum chuta bola (embora alguns já tenham chutado, antes ou depois de ocupar cargos eletivos ou diretivos). Quem faz o futsal não é o político. Quem faz o futsal é a Liga. Quem faz a Liga são os clubes. Quem faz os clubes são as pessoas. Olhe mais pelo que você tem feito em prol do futsal todos os dias. Pense menos no que o futsal pode fazer por você todos os dias. É uma reflexão.

7) Pra terminar: pretendo colocar uma equipe pra participar do Campeonato Adulto da LCFS esse ano. E pretendo arrumar competidores para que tenha a competição. Se eu conseguir, vou montar um time sub20 também. É a colaboração que posso dar no momento, como fiz ano passado (e poucas pessoas sabem do esforço que eu fiz para que a competição saísse). Em 2017, soube do campeonato quando as vagas já tinham se encerrado, senão teria participado. Em 2016, fiz força até onde deu pra ter o campeonato, mas ninguém se importou. Muita gente que hoje critica a Liga esteve jogando esses anos todos, mas jogar é moleza, quisera eu conseguir jogar…

PS: já sei que vão reclamar dos ginásios municipais, que seguem inativos. Como se eu também não reclamasse, todos os dias. Aí eu devolvo a reclamação com uma pergunta: R$ 1 milhão é pouco dinheiro ou muito dinheiro?

Anúncios
Campeão mundial de futsal, AFC Kairat chega a Cabo Frio para pré-temporada

Campeão mundial de futsal, AFC Kairat chega a Cabo Frio para pré-temporada

Os atletas do Kairat treinaram essa manhã (11) na academia Mais Saúde Fitness, no Novo Portinho (Foto de Ari dos Santos)
Os atletas do Kairat treinaram essa manhã (11) na academia Mais Saúde Fitness, no Novo Portinho (Foto de Ari dos Santos)

AFC Kairat está no Brasil para tentar o bicampeonato intercontinental, a partir de 31 de agosto, no Rio Grande do Sul. Pré-temporada de 20 dias do time do Cazaquistão começou nesta terça-feira

Atual campeão europeu e mundial de clubes de futsal, o AFC Kairat​, de Almaty, no Cazaquistão, começou nesta terça-feira (11/8) a temporada de preparação para a disputa do Campeonato Mundial de Clubes, que acontece a partir de 31 de agosto, em Erechim (RS).

Comissão técnica do AFC Kairat (foto de Ari dos Santos/SECOM PMCF)
Comissão técnica do AFC Kairat (foto de Ari dos Santos/SECOM PMCF)

O time cazaque, dirigido pelo brasileiro Ricardo Sobral​, o Cacau, estará em Cabo Frio nos próximos 20 dias, treinando no ginásio Aracy Machado e na academia Mais Saúde Fitness, onde a delegação fez a atividade nesta manhã. À tarde, acontece o primeiro treinamento com bola. Neste período, o Kairat, que tem como um dos destaques o goleiro Higuita, que atuou por várias temporadas no futsal de Cabo Frio​, fará dois amistosos, contra Botafogo e ADDP Cabo Frio, em datas a serem definidas.

Além de Higuita, o Kairat conta com uma legião brasileira em seu elenco: Léo Santana, André, Giva, Henrique, Rodrigo, Alexandre, Betão, Euler, Joan e o naturalizado cazaque Leo.

Além de atual campeão mundial interclubes, o Kairat é o atual campeão europeu de futsal. O título foi conquistado em cima do Barcelona, em abril, em decisão disputada em Lisboa (Portugal).

O Mundial de Clubes deste ano terá, além do Kairat, atual campeão europeu e mundial; e do Atlântico Apti Uri Erechim, campeão sul-americano e sediante; as equipes do Futsal Toronto (Canadá); MISR Lemmakasa (Egito); e Al Dhafra (Emirados Árabes).

Atual campeão mundial de futsal, o AFC Kairat fica em Cabo Frio até o fim do mês (foto de Ari dos Santos/SECOM PMCF)
Atual campeão mundial de futsal, o AFC Kairat fica em Cabo Frio até o fim do mês (foto de Ari dos Santos/SECOM PMCF)
A Lei de Murphy nunca falha

A Lei de Murphy nunca falha

Acho que todo mundo já ouviu falar na “Lei de Murphy”. Conhecido internacionalmente, este adágio popular resumidamente diz que “se uma coisa pode dar errado, ela dará errado com certeza”. Ampliando seu alcance, “se uma sequência de coisas pode dar errado, essa sequência vai dar errado na pior ordem e causando o maior estrago possível”.

Eu costumo dizer que “a Lei de Murphy nunca falha”. Eu sou um cara esquisito, não acredito em coincidências. Pra mim, tudo tem um motivo pra acontecer, mesmo que não seja explicável ou plausível. Me chamam de “fatalista”, mas é assim que eu sou.

Acabei de chegar de Aquárius. Mais que assistir a semifinal do Municipal Adulto, entre Arraial e Grêmio Samburá, fui lá ver como ficou a quadra do bonito Centro de Esportes e Lazer João Augusto. O espaço foi inaugurado no início do mês em uma parceria da Prefeitura de Cabo Frio e do Governo do Estado, e, tenho certeza, sendo direcionado e dirigido da maneira correta, vai ser muito útil pra população do Distrito de Tamoios.

Como eu falei no Facebook mais cedo, o ginásio é até bacaninha. Arquibancada só de um lado, mas mais alta, parecida com o Aracy Machado. Bons vestiários, espaçosos, com instalações novas. Os banheiros para os torcedores são amplos e limpos. A iluminação é boa. Senti falta de uma lanchonete – aliás, não sei em que mundo vivem esses arquitetos que projetam uma arena esportiva sem lanchonete, ou sem espaço para estacionar.

A linha da área é amarela e confunde os goleiros.

Agora, as maiores reclamações vão para a quadra de jogo. Primeiro, porque no acesso entre os vestiários e a quadra, os jogadores passam pelo corredor comum aos torcedores – o que não é muito recomendável. Em relação à quadra de jogo em si ficam os maiores problemas. O piso não é bom. De cimento liso, pintado com tinta a base de óleo. O somatório deste piso e tinta, mais a poeira por conta dos acessos abertos hoje o dia inteiro e a proximidade do mar (o ginásio fica a 50 metros da praia) fizeram do piso um sabão, que inviabilizou qualquer tentativa de bom futsal a ser jogado nos 20 minutos disputados de jogo.

Funcionários instalaram o placar momentos antes da bola rolar. Mas nem a boa vontade de todos para que houvesse o jogo impediu a sucessão de tombos

A quadra de futsal tem 34m x 18m (bom espaço, mas menor que a dos ginásios Aracy Machado e Vivaldo Barreto). Além do piso, há pouco espaço de escape nas laterais e a marcação ainda está incompleta. Achei que a linha das áreas, em amarelo, dá pouca visualização para os jogadores e os árbitros.

Enfim, mesmo visivelmente sem condições de se manter equilibrados em quadra pra disputar os lances, os jogadores de Arraial e Grêmio Samburá até tentaram jogar. O primeiro tempo terminou empatado em 2 a 2, mas na volta do intervalo, os árbitros resolveram interromper o jogo, antes que houvesse lesão de algum atleta. Medida acertada, mas que deveria ter sido tomada antes do jogo começar. O jogo acontecer nas condições em que rolou são compreensíveis – o ginásio estava cheio, era uma festa para a comunidade e a boa vontade de todo mundo em fazer com que a bola rolasse, até para a instalação do placar eletrônico no ginásio minutos antes de começar o jogo, demonstrava isso.

Feito o relato, você me pergunta: “Mangueira, qual a relação disso com a Lei de Murphy?”. Simples. Os jogos só estão acontecendo em Aquárius porque os outros dois ginásios da municipalidade não podem ser usados no momento. O Aracy Machado, no Portinho, passou todo o ano de 2011 desativado, por conta da troca do telhado e do piso da quadra de jogo. O Vivaldo Barreto, no Jardim Esperança, está sendo utilizado para os Jogos de Integração da Polícia Rodoviária Federal, realizados em Cabo Frio até domingo que vem.

Justo neste momento, o futsal de Cabo Frio se vê em um impasse. O calendário da LCFS está apertado, e ficou mais apertado uma vez que a entidade não teve outra medida a não ser suspender o jogo de terça e cancelar os dois jogos marcados pra amanhã e um marcado pra quinta. Como “a lei de Murphy nunca falha”, pra piorar, semana que vem, o feriado de Finados na quarta-feira não permite a utilização do ginásio Vivaldo Barreto.

E dentro daquela ideia de que “as coisas acontecem na ordem em que possam causar o maior estrago possível”, na quinta e na sexta-feira desta semana, Cabo Frio terá três jogos pelo Campeonato Estadual de Futsal, promovidos pela Federação do Rio (FFSERJ), pelas categorias sub-20 e adulto, que estão em um momento decisivo da competição, em sua penúltima rodada.

Na quinta, jogariam (coloco no condicional porque não vejo nenhuma possibilidade de haver jogo no ginásio de Tamoios) Cabo Frio Futsal e ADDP, clássico local e de fundamental importância para a sequência dos dois times no campeonato sub-20. Na sexta, estava prevista uma dupla jornada pelo campeonato adulto, com Cabo Frio Futsal x Fluminense e ADDP x Casa de España/Botafogo.

Claro que Murphy não deixaria que houvesse um “plano B” pra realização desses jogos. Sem o Aracy Machado, com o Vivaldo Barreto ocupado até domingo e com o João Augusto com um piso mais escorregadio que uma quadra de futebol de sabão, o que fazer?

O ideal é que os jogos fossem realizados na segunda-feira que vem, dia 31, no Vivaldo Barreto. Porém, o ginásio já tem seu cronograma, e às segundas as equipes de vôlei da cidade treinam. Na terça, já há os jogos da LCFS – dentre eles o segundo tempo do jogo adiado de terça agora. Na quarta é feriado. E na quinta já tem que acontecer os jogos da última rodada.

Como resolver esse problemão? Não sei. Sei que não tem como se jogar em Tamoios. E sei também que a Lei de Murphy não falha. Nunca.

ATUALIZAÇÃO: Assim como eu boto a cara pra fazer as críticas negativas que eu acho pertinentes, boto a cara pra fazer as positivas quando elas são merecidas.

Parabéns ao bom senso da Federação de Futsal do Estado do Rio de Janeiro e da Secretaria de Esportes e Lazer de Cabo Frio, que mesmo com o calendário apertado, conseguiram solucionar o problema dos jogos dessa semana.

AMANHÃ, 27/10
Cabo Frio Futsal x ADDP, sub20, 19h30

SEXTA, 28,10
Cabo Frio Futsal x Fluminense Futsal Pcd, adulto, 19h
ADDP x Casa de España/Botafogo, adulto, 20h30

Os jogos serão no Ginásio Vivaldo Barreto, no Jardim Esperança.